Menu

DIÁRIO DE GRAVIDEZ - SEGUNDO TRIMESTRE

Antes de qualquer coisa, quero agradecer o retorno que tive contando como foi o Primeiro Trimestre em repouso absoluto na minha gravidez, muito obrigada à todas amigas, conhecidas e pessoas que chegaram até o post no blog e me procuraram por inbox, email e instagram! Fico muito feliz em poder ter ajudado um pouquinho que fosse cada uma que se identificou com meu relato.

Dito isto, vamos ao meu segundo trimestre!

Depois de todos os desconfortos físicos e medos que senti de uma outra perda no primeiro trimestre da gestação, para mim o quarto mês foi um divisor de águas... Me senti muuuito bem, me enchi de ânimo e disposição, tanto que em duas semanas eu  já havia comprado praticamente todo enxoval pela internet e encomendado todo o quartinho do Bento. Com 16 semanas voltei à rotina aos poucos, trabalhando, cuidando da casa, minha familia, dirigindo normalmente, até o quarto dele eu encarei a pintura com o marido mas ainda assim sem minhas habituais atividades físicas de treino.

Enquanto voltava ao trabalho, desenvolvia a nova coleção da 18 55, planejava e organizava tudo para a chegada dele o tempo voou e logo estávamos terminando o quinto mês. O marido teve uma viagem de trabalho a Porto Alegre e minha médica me liberou para acompanhá-lo desde que me comportasse e mantivéssemos repouso sem esforços na casa da minha mãe onde passamos alguns dias. Pensamos ok! Marquei uma ecografia na cidade para fazermos assim que chegasse de viagem para nos certificar de que estava tudo bem e aproveitei para reunir as amigas mais íntimas para um encontrinho que acabou se transformando no Chá de Boas-Vindas do Bento! Foi ótimo, me diverti revendo a família, afilhados e amigas que há meses não via... Bento ganhou vários presentes super úteis e muitas fraldas, retornei para casa um dia após o chá revigorada e com a rotina à mil como já me era de costume.

(Chá de Boas-Vindas do Bento)

(21 semanas - No final do Quinto mês)

Dois dias depois entrando no sexto mês fizemos a morfológica e com resultados super positivos e, nosso pequeno crescendo a cada dia mais e ficando mais gordinho, eu só me enchia de mais confiança e gratidão por ter deixado para trás as incertezas do primeiro trimestre... Foi então que com 23 semanas iniciando o sexto mês numa consulta de rotina minha G.O me pediu que voltasse ao repouso pois ao me examinar percebeu que estava com o que eles chamam de “cólon apagado”. O cólon apagado acontece, normalmente a partir do terceiro trimestre, quando ele se retrai decorrente de inúmeras pequenas contrações de treinamento... Contrações estas que eu realmente não lembro de ter sentido e que aconteceram devido a falta de repouso que eu não fiz nestes dois meses, e cá entre nós eu realmente aprontei porque até me meter a pintar o quartinho eu fiz! Pensei: - Pronto, repouso absoluto novamente até o final da gravidez...

Mas que nada, passei somente as três semanas seguintes mais quietinha evitando a escada de casa e longas caminhadas e logo ela já me liberou um pouco mais para a rotina normal mas nada de excessos e muito esforço. Até porque ele já está de cabeça para baixo desde o quinto mês e a pressão na pelve por excessos físicos pode fazer o cólon dilatar mais facilmente de uma hora para outra causando um parto muito prematuro. Então, não era hora de bancar a Mulher Maravilha mas sim seguir à risca as recomendações médicas, nada de levantar peso, sobe e desce de escadas e etc... Mesmo mais atenta em não cometer excessos físicos continuo trabalhando e produzindo normalmente, dando minhas passeadas quando tenho tempo, aproveitando pra descansar e dormir bastante enquanto podemos (sem nenhuma interrupção! rsrs), registrando o crescimento do barrigão, mudanças no meu corpo e curtindo demais cada fase da preparação com a chegada dele em nossas vidas.

E Renata, o que interessa para os outros se o teu cólon está apagado, aceso ou sei lá o quê?! Lembram que eu falei nas intercorrências que são "normais" da gestação mas que muitas vezes as mulheres não querem dividir por vergonha perdendo a chance de ajudar informando outras gestantes na mesma situação? Então! Eu disse que dividiria tudo por aqui e se com meu relato eu conseguir ajudar ao menos uma futura mamãe, como foi com o primeiro post sobre o assunto, já terá valido a pena a exposição.

Continuando...

(Entenda quando uma grávida responder em Semanas x Meses)

Sobre a saúde e alimentação neste segundo semestre: O único desconforto que me pegou de jeito desde o quinto mês e tem sido diário, principalmente a noite antes de dormir, são as fortes azias mesmo tentando evitá-las com medicação e alimentação fracionadas com curto espaço de tempo. Mas este é um mal estar tão bobo perto de toda satisfação e alegria que eu sinto a cada pequeno chutinho do meu pequeno que realmente não me incomoda tanto assim. Com minha insulina controlada (neste post aqui eu conto sobre como a descobri quase me transformando em diabética), curva glicêmica ótima e peso ok não é uma simples azia que vai me desanimar! Ao todo, desde o início da gestação até o final do segundo trimestre já foram 8 quilos, dentro do previsto e estimado para este período. Lembrando que eu não fiz nenhuma restrição desde o início da gestação, estou de repouso controlado desde então, ou seja sem nenhuma atividade física, e aproveitei com responsabilidade tudo o que quis e quero comer porque sei que assim como pego peso rápido, elimino rápido também quando quero. Por isso, sem neura nenhuma aproveitei cada vontade e desejo. As únicas restrições em virtude da saúde que minha nutricionista me pediu desde o início da gestação foi evitar saladas cruas fora de casa, sushi, maionese caseira, qualquer tipo de chá, chimarrão em excesso, uvas e outras frutas roxas por ter efeito dilatador. Além é claro de evitar o excesso de açúcar, glúten, leite e derivados e nem preciso mencionar nas bebidas alcoólicas que no meu caso enjoei bastante não conseguindo sentir nem o cheiro. No início do terceiro trimestre a lista de restrições aumenta um pouco porque alguns alimentos podem trazer complicações para o bebê mas este é assunto para um próximo post.

Agora já no terceiro trimestre com enxoval comprado, cheirosinho empreguinando todo o quartinho com cheirinho de bebê, malas da maternidade ok e bebê conforto pronto para ocupar seu lugar no carro as preocupações são outras... Não me preocupa mais passarmos do sétimo mês e termos um parto muito prematuro (quando você estiver lendo este post já estaremos quase entrando no 8ª mês) mas em me preparar para a nova rotina e dinâmica que está por vir... Enquanto as pessoas imaginam a ansiedade destas últimas semanas e me perguntam se eu estou muito ansiosa querendo que ele chegue logo, eu só consigo pensar em poder ter ele aqui dentro pelo maior tempo possível o sentindo e protegendo porque sei que daqui a pouco ele não será mais só meu ou nosso, mas sim será criado, desenvolvido e educado para o mundo buscando a vida dele como eu e o pai dele fizemos um dia. É muito louco pensar neste instinto de proteção tão cedo mas acredite, ele existe de um tamanho imensurável!

Daqui a pouco, com 36 semanas volto para contar como está sendo nosso terceiro trimestre nesta reta final!

Até mais,

Beijos meu e do Bento!