Menu

Férias

Há algumas semanas uma leitora muito querida viu através do post da viagem de Buenos Aires que eu havia ido para o Ushuaia e entrou em contato pedindo dicas sobre a cidade pois esta semana ela estaria lá também. Adorei seu interesse Bella, espero que aproveite as dicas! 

Aí vai então!

Já começo o post lembrando que o Ushuaia não é o tipo de lugar como Bariloche, Valle Nevado (Chile), muito menos Aspen (EUA). As estações de esqui possuem uma boa infraestrutura a seus turistas porém não é uma cidade badalada e de grande comércio para os consumistas! O Ushuaia é para quem procura  neve e curte esquiar sem frescura!

Agência de Turismo: As férias do ano passado foram dedicadas à Argentina mas o que queríamos mesmo era esquiar, então como estávamos indo de alguns dias em Buenos Aires direto para o Ushuaia, compramos tudo antes (passagens, transfer, passeios, ski pass) com a Agência Point da Neve que é especilaista quando o assunto é neve, e lá eles usamos a extensão deles, a Conextur. Ambas com ótima cobertura aos clientes e valor. 

Hotel: Ficamos no Fueguino. No meio do centro, perto de restaurantes, farmácia, supermercado. Quarto e café da manhã super ok, mas conforto não será tão importante assim. Depois de passar o dia nos passeios na rua com frio ou o dia inteiro esquiando e chegar no hotel com todos os músculos doloridos, a única coisa que você vai querer é calefação e uma banheira com água bem quente!

Vista do quarto do hotel

Câmbio: Não se preocupe em levar muitos pesos mas sim dólares. A moeda americana é bem mais valorizada por lá.

Transfer: Caso você mesmo monte seu pacote, os hotéis costumam oferecer o serviço de transfer do aeroporto ao hotel mas dependendo do valor não é preciso. Os táxis são bem em conta e levam cerca de 20 minutos até o centro da cidade.

1º Dia

Reserve o dia para conhecer o que fica perto de você: Uma trilha perto do hotel (se você estiver hospedado nos hotéis perto da montanha), o centro da cidade próximo ao Porto, museus e compras.

Centro da cidade

Porto de Ushuaia – É no porto que se encontram diversas embarcações de todos os tamanhos e tipos. A vista de baixo da cidade e montanhas é panorâmica. É por lá também que se dá a saída para o passeio pelo Canal Beagle.

Museu Marítimo e do Presídio – Com suas atividades encerradas em 1947 o presídio hoje funciona como museu marítimo. Um ótimo passeio para os dias de muito frio.

Compras – ok, ok... Ushuaia tem centro de compras sim mas não é aquele do tipo  americano ou europeu entende?! É na Avenida San Martin que se concentram o maior número de lojas, o shopping e o duty free da cidade. Há também espalhado pela cidade ótimas chocolaterias como a Laguna Negra e a da família Edelweiss.

María Lola Restó – Um dos melhores restaurantes da área central da cidade que fica na mesma rua do hotel, apenas poucos metros do Fueguino. Com cozinha gourmet, decoração clean e vista deslumbrante do Canal Beagle a noite é uma ótima pedida para o primeiro dia na cidade.

2º Dia

Deixe reservado com a agência de turismo o segundo dia para iniciar o esqui, assim você já está acostumado com o frio da cidade. Nenhuma agência inclui o ski pass no pacote, portanto é você que providencia sua entrada ao chegar na estação. Uma dica: Se não está acostumada à práticas físicas NÃO compre passaporte para dois ou três dias seguidos! Eu fiz e me dei mal! No segundo dia fui para a estação “na marra” toda dolorida do dia anterior! Claro, chegando lá o clima é outro e você só quer saber de aproveitar mas um descanso pro corpo, quando não se é acostumado a esquiar o dia todo, é sempre bom!

Cerro Castor – A estação fica a 30km do centro e conta com 31 pistas de diferentes níveis e infraestrutura de restaurantes, lanchonetes, compra e aluguel de roupas e equipamentos, além é claro de aulas de esqui e snowboard.

Aulas – Se você não sabe esquiar ou nada de snowboard o melhor a fazer é chegar e logo tentar marcar um horário para aula com instrutor. Eu fui teimosa e não quis fazer, o marido já tinha alguma noção, colocou a prancha no pé e saiu deslizando neve abaixo enquanto eu passava mais tempo sentada e caindo do que qualquer outra coisa! Consegui marcar aula só para o segundo dia, por isso chegue cedo e marque seu horário. Vale a pena e você aproveitará muito mais, vai por mim: Esqui e snow não é algo que se aprende por conta, além de ser muito mais seguro com instrutor! ;)

No primeiro dia de casanço pós-esqui (e muuuuitas quedas) para o jantar o serviço de quarto nos pareceu o mais apropriado! Mas eu sugiro o Kaupé Restaurant. Ficamos com preguiça de sair, (a verdade é que eu mal conseguia respirar de tão dolorida que dirá me arrumar pra pisar fora do quarto do hotel e eu não estou exagerando tá?!) perdemos a reserva e nos arrependemos de não ter ido por se tratar de um dos melhores restaurantes da Argentina e um dos mais bem recomendados da cidade.

3º Dia

Como eu disse acima, se você não tem o costume de práticar esportes o melhor é não ir seguidamente para a montanha, se já tem o costume aproveite o desconto do passe para 2 ou 3 dias de esqui como a gente fez. Com o snow “no pé” depois de um dia de aula e me sentido a rainha da neve, ainda animada por não ter caído uma só vez no segundo dia, juntei os ossos e fomos jantar descentemente.

Gustino – Com ambiente aconchegante o restaurante está localizado dentro do hotel Albatroz, tem uma vista linda para o canal de Beagle e tem comida deliciosa.

4º Dia

Mais snow! Para os dias de montanha optamos por almoçar nos restaurantes e lanchonetes que a estação oferece.

Para encerrar nossa pequena temporada de 3 dias de montanha escolhemos um belo jantar para comemorar!

Chez Manu – Cozinha francesa e vista maravilhosa da cidade.

5º Dia

Parque Nacional Terra do Fogo – Há 12km do centro da cidade está este que é um dos mais importantes pontos turísticos da cidade. O passeio é feito em boa parte através de caminhada ou com as vans de agências que vão até o local mas no início dele há um pequeno caminho para se chegar até a entrada que pode ser feito de trem. Eu sugiro que não faça este passeio do trem! Nós não fizemos e pelo o que o pessoal que estava conosco disse, não se acrescenta em nada a menos que você nunca tenha andado em uma maria-fumaça antes!

Continuando... É muito importante ir bem agasalhado. Todas as suas roupas mais quentes e térmicas devem ser usadas neste dia pois o passeio é ao livre e o parque é todo banhado pelo canal de Beagle o que o torna mais frio ainda.

La Cabaña Casa de Té – Uma casa de chá charmosa com decoração fofa localizada na base do Glaciar Martial, há 7km do centro. Mais parece uma casa de bonecas com delícias doces, diversos tipos de chás e chocolate quente para aquecer antes ou depois de uma caminhada pelo Glaciar. O local só abre aos finais de semana.

Glaciar Martial – Localizado à 7km do centro, o lugar oferece vista previlegiada do alto de toda a cidade e suas lindas paisagens naturais com águas do degelo, muito verde e os Andes. A subida ao Glaciar Martial (ou Geleira Martial) pode ser feita por caminhada mas por se tratar de terreno bem íngrime, o melhor é usar o teleférico.

Kalma Restó – Para fechar 5 dias de Ushuaia e 10 de mini férias resolvemos fechar em grande estilo num dos bistros mais charmosos da cidade, o Kalma. Local aconchegante, comida incrível e toda a tranquilidade que precisávamos.

Ah, que saudade destes dias... Infelizmente não conseguimos fazer todos os passeios que gostaríamos, nem ir à todos os restaurantes que queríamos porque o tempo era curto, o frio era demais e nossa prioridade era o snow! Na verdade, essa foi uma das poucas vezes que viajamos e fizemos tudo com calma, curtimos cada lugar, passeio e conseguimos descansar, afinal é para isso que servem as férias, não é mesmo!

Passeios que não fizemos:

Canal de Beagle – Porque o frio estava de lascar e prefirimos o parque! Até porque é um passeio onde você não tem interfere na vida marinha dos "habitantes" das pequenas ilhas que ali vivem, é permitido aproximação somente pelo barco onde não se pode interagir com os animais, apenas observá-los.

Vale de Lobos – Onde cães puxam um trenó na neve... Sinceramente, eu sei que faz parte da cultura local e etc, mas ninguém me convence de que este é um passeio interessante. Pelo amor de Deus, ter cães te puxando enquanto você está ali apreciando o cansaço físico deles? Isso é atraente? Eu não sei o que é pior se é quem coloca os cães a puxar um trenó e trabalhar para ele ou quem paga por absurdo deste!

Mas é isso então, espero ter ajudado a Bella e tantos outros que tenham interesse em conhcer o Ushuaia!

Qualquer dúvida é só entrar em contato pelos comentários ou pelo email contato@blog1855.com.br

Até o próximo!

;)

*Nem todas as imagens são minhas, a maioria é de divulgação pois meu computador precisou ser restaurado no ano passado logo depois que retornei da viagem e eu acabei perdendo praticamente todas as nossas fotos :(

Chegamos ao final do ano, época em que a família toda sairá de férias mas será que é a família toda mesmo? E o seu pet?!

Desde que tenho a Gaia há 9 anos à carregava - com seus 49 quilos - para cima e para baixo em todas as viagens de carro, sempre. Uma ressalva: ela passou por uma reeducação alimentar após apresentar displasia severa e hoje está mais saudável com seus 32 quilos!

Voltando ao assunto incial... Com a chegada dos dois filhotes igualmente grandes o carro ficou mais apertado mas ainda sim não era um problema e eles nos acompanhavam a todas idas à praia quando morávamos na capital gaúcha por um trajeto de pouco menos de duas horas de carro.

Com nossa mudança de cidade (e graças à Deus para uma praia!) eles ainda viajavam conosco nos acompanhando de Santa Catarina para o Rio Grande do Sul numa viagem que dura em média 5 horas... Mas com a chegada do Theo as coisas ficaram diferentes! Hoje fica impossível carregar os quatro no carro, a não ser que seja um trajeto muito pequeno pois o espaço não é mais suficiente além do que um deles (o #zécaranzinza) deve ter algum tipo de fobia à lugares fechados rosnando pra todos a sua volta e só consegue viajar relaxado nos pés do carona na frente, imagina que delícia viajar assim por longas 5 horas?!

Nossa sorte é que hoje em dia não precisamos mais percorrer horas até a praia, agora moramos nela. Mesmo assim, quando viajamos seja a trabalho, férias ou para visitar a família é sempre necessário contar com a ajuda do adestrador da turminha aqui que atua como um tratador também vindo até nossa casa e mantendo a rotina para que eles sintam o mínimo possível nossa falta. Mas não é todo mundo que pode contar com este tipo de ajuda profissional de confiança, não é mesmo?!

Por isso, se a família está com as férias agendadas e o local não permite pets, o melhor a fazer é:

- Converse com aqueles seus amigos e familiares "cachorreiros" para saber se alguém tem disponibilidade de fazer as vezes de um tratador e estará disponível durante este período para ir até sua casa pelo menos 2x ao dia;
- O pet não terá acesso à casa? Observe se na sua ausência ele terá um ambiente fresco com sombra farta durante os dias escaldantes do verão e abrigo protegido de chuvas e temporais porque nesta época do ano além do calor, as chuvas repentinas fazem parte da estação;
- Deixe-o com livre acesso ao pátio ou apartamento e com brinquedos para que ele não se sinta sozinho e entediado ou, na sua volta, poderá encontrar sinais de "destruição" como uma forma de chamar a atenção por ter sido "abandonado" sozinho e de liberar a energia acumulada;
- Tome o cuidado de calcular para mais a quantidade de ração a ser oferecida diariamente para que não falte;
-  Deixe anotado as medicações que por ventura poderão ser ministradas e o telefone de pelo menos dois veterinários caso seja necessário;
- Organizar de acordo com a disponibilidade do responsável a rotina de alimentação, ter sempre água fresca, farta e à sombra, higienização do local e manter a rotina de passeio é imprescindível neste período, por isso o amigo ou familiar tem que ser muito "cachorreiro" para dar conta do recado! ;)

Ok, você não quer envolver os amigos e familiares na missão férias? O melhor então é contar com um local próprio e preparado para atender seu pet. Que tal um hotel para cães?

- Procurar através de referências entre amigos e familiares Hotéis Pet de confiança na sua cidade;
- Certificar-se de que ele terá uma rotina de alimentação, passeio, atividades e acesso a um veterinário em caso de emergência;
- Faça uma visita ao local acompanhado de seu cão para conhecer as instalações e observar se ele gosta do ambiente e tratadores;
- Combine desde o início quanto a alimentação e medicações caso precise ser ministrada;
- Deixe alguém autorizado a vê-lo, e até talvez levá-lo para passear caso o local não disponibilize deste serviço;

Seja qual lá qual for sua opção ou escolha, nesta época do ano muitos dos hotéis pets já estão com suas vagas esgotadas e com o corre corre de final de ano, nem todo mundo fica tão "disponível" assim para ajudar, portanto agilize-se para ter certeza de que seu melhor amigo ficará bem cuidado enquanto vocês estiverem longe um do outro!

;)

Tags: 
Subscrever Férias